As competências dos profissionais de informação são um assunto cada vez mais pertinente dadas as alterações que ocorrem na sociedade, em geral, e nas diferentes áreas de trabalho em que estes atuam. Esta preocupação é comum aos profissionais de todo o mundo, mas neste artigo apenas se aborda a iniciativa da associação inglesa- CILIP (Chartered Institute of Library and Information Professionals). Esta associação resulta da fusão da Library Association e do Institute of Information Scientists, que se deu em 2002. Desenvolve a sua ação para mais de nove mil associados procurando que desenvolvam as suas competências, construam carreiras de sucesso e ofereçam serviços de biblioteca e informação de alta qualidade. Colaboram com as entidades empregadoras, fornecedores e outras ligadas ao ensino e aprendizagem. No Plano para cinco anos (2016-2020) definem como objetivo: “Put library and information skills and professional ethics at the heart of an equal, democratic and prosperous society.”1

No decorrer de 2020, em conjunto com um grupo de consultores especialistas das principais indústrias, foi revisto o documento que identifica as qualificações e competências dos profissionais (My Professional Knowledge and Skills Base), para criar o Professional Knowledge and Skills Base (PKSB) que contempla o passado e o futuro e foi lançado em setembro de 2021. Considera essenciais os aspetos da ética da profissão e baseia-se neles para as aptidões sociais, de gestão, liderança e digitais. Para facilitar a sua utilização, pelos profissionais e empregadores, foi criado um instrumento online que permite identificar as lacunas e que conhecimentos e competências devem desenvolver. É preconizado o seu uso para evolução na carreira, na preparação da avaliação e na candidatura para emprego.

Esta nova versão tem mais secções e áreas que foram renumeradas e se subdividem em conhecimentos profissionais e competências genéricas. Os conhecimentos profissionais contemplam as secções 1 a 9: 1- Gestão e desenvolvimento de coleções; 2- Gestão de dados; 3- Exploração e uso da informação; 4- Governança da informação e conformidades; 5- Gestão da informação; 6- Gestão do conhecimento; 7- Literacias e aprendizagem; 8- Gestão e armazenamento de registos e 9- Pesquisa. As competências genéricas incluem quatro secções, da 10 a 13: 10- Foco nos utilizadores, design e marketing do serviço; 11- Liderança, advocacy, influenciador e eficácia pessoal; 12- Estratégia, planeamento e gestão e 13- Tecnologia e comunicação.

Mais detalhes podem ser consultados na informação disponível no site, em acesso livre, onde se compara a versão anterior e a atual.

 O acesso a esta plataforma é feito mediante um login, que qualquer associado pode obter. Acessíveis a todos existe um conjunto de FAQ’s para elucidar sobre a sua utilização e para saber mais pode consultar aqui. O acesso à plataforma do PKSB é um benefício dos associados, entre outros, que requer a autenticação através do login e password no site do CILIP.

Este exemplo pode ser um contributo para a revisão do Euro-Referencial I-D: Competências e aptidões dos profissionais europeus de Informação-Documentação2, cuja segunda edição, em português, foi publicada em 2005, pela INCITE (Associação Portuguesa para a Gestão da Informação), que refere que carece de ser atualizado: “um instrumento como este referencial não pode desempenhar o seu verdadeiro papel se não for constantemente validado, pelo uso que se faz dele, e actualizado.”

Referências:

1. Chartered Institute of Library and Information Professionals (2015) Securing the Future: Action Plan 2016-2020 . p. 4.

2. Conselho Europeu das Associações de Informação e Documentação [ECIA] (2205). Euro-Referencial I-D.  Lisboa: INCITE, p. 10

Maria Margarida Vargues
Comissão Técnica Profissão/BAD

Similar Posts