Esta “relação” tem sido desafiante, convicta e enriquecedora. 

PAULO BATISTA
Paulo Batista

Há quanto tempo é associado da BAD?
Sou associado da BAD, com o número 2745, desde 2005, ou seja, há 17 anos. Uma escolha, que me pareceu bastante natural, quando frequentava o Curso de Especialização em Ciências da Informação e da Documentação (CECID), na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. 

Em três adjetivos, como tem sido esta “relação “?
Esta “relação” tem sido desafiante, convicta e enriquecedora. 

Numa frase, como convenceria alguém a associar-se à BAD?
Na BAD tive a possibilidade de aperfeiçoar competências profissionais, ganhar uma consciência associativa e criar amizades que permanecem para a vida. A BAD é uma instituição fundamental para todos os profissionais da informação, expressão que destaco pela abrangência, assegurando-lhes formação profissional contínua e de atualização científica e técnica no domínio da Ciência da Informação, o que por sua vez lhes permite superar desafios e transformar as ameaças em oportunidades. Juntos somos mais fortes!

Como associado, o que a BAD ainda não tem para lhe oferecer? 
Para além da história da BAD, idealmente por ocasião da celebração do seu cinquentenário, em 2023, uma maior aposta na promoção de iniciativas relacionados com a profissão e a empregabilidade, para que que as mesmas tenham a visibilidade que se deseja, e impõe, sobretudo para aqueles que procuram entrar no mercado de trabalho. Também seria deveras interessante uma maior aposta na investigação em Ciência da Informação, por via da criação de bolsas de apoio financeiro a investigadores, que incluísse a possibilidade de as mesmas serem desenvolvidas noutros países, suportadas através de programas de financiamento e de mecenato, nacional e internacional, em serviços de informação.

Ainda assim, é da mais elementar justiça enfatizar o extraordinário trabalho que a atual direção da BAD tem desenvolvido, de que a criação, pela primeira vez, para o triénio 2021-2023, de uma área de intervenção dedicada à Profissão, é exemplo. Nesse sentido, constituiu-se a Comissão Técnica Profissão, com  diversas linhas de ação, como o Estudo para identificar e caracterizar os profissionais da Informação em Portugal, a reformulação e criação de novos conteúdos na área da Profissão no portal BAD.pt, a redação de notícias sobre a Profissão, a criação do Programa de Mentoria e a criação do espaço no portal BAD.pt Somos Profissão, com testemunhos de associados, com  o objetivo de homenagear associados da BAD que desenvolveram um trajeto profissional de exceção, mas também académico e científico, e que na atualidade se encontrem aposentados.

Que mensagem gostaria de deixar aos novos profissionais relativamente ao associativismo?
Convido, e desafio, todos os profissionais da informação a tornarem-se associados da BAD, porque, por um lado, o associativismo é determinante para o crescimento e valorização da nossa profissão e, por outro, uma associação precisa dos seus associados para existir. É muito importante participar, envolvermo-nos e contribuirmos, de alguma forma, na base do voluntariado, para a prossecução da missão da BAD. A partilha de experiências e de conhecimento com colegas com os mesmos interesses profissionais permite o desenvolvimento de competências profissionais, e de soluções para os desafios, problemas e oportunidades com que nos vamos deparando, para além de um sentimento bastante gratificante de integração e de pertença. Juntem-se à BAD, vale mesmo a pena!

Nota Biográfica

Paulo Batista é Doutor em Documentación (Universidad de Alcalá de Henares-UAH), Mestre em Ciências da Informação e da Documentação (FSCH-UNL), Máster em Documentación (UAH) e Diploma de Estudios Avanzados de Doctorado em Bibliografia y Documentación Retrospectiva en Humanidades (UAH), Pós-graduado em Direito da Sociedade da Informação (FDUL) e em Ciências da Informação e da Documentação – Biblioteconomia e Arquivística (FCSH-UNL), Especialização em Boas Práticas em Gestão Patrimonial e em Ciências da Informação e da Documentação – Arquivística (FCSH-UNL), Licenciado em História (FLUL).
Atualmente é técnico superior no Arquivo Municipal de Lisboa, coordenador científico da Pós-Graduação em Promoção e Dinamização Cultural e Educativa de Arquivos e Bibliotecas (UAL), professor convidado na Pós-Graduação de Museologia (UAL) e no Mestrado Arquitetura e Cultura Visual em Lisboa (Iscte-Instituto Universitário de Lisboa). É, também, investigador integrado do CIDEHUS.UÉ, formador na BAD e na CML, e Secretário da Comissão Executiva do SAR-ICA.
Foi docente no Mestrado de Ciências da Informação e da Documentação da FCSH-UNL, técnico superior no IPPC, no IPPAR/Palácio Nacional de Queluz e no IAN/TT, e investigador no IICT-CEHCA.
É autor de diversos livros e publicações em revistas da especialidade portuguesas e estrangeiras, em livros de coordenação diversa e artigos científicos apresentados em congressos nacionais e internacionais.

Similar Posts