A IFLA (International Federation of Library Associations and Institutions) apresentou, no início deste ano, o relatório IFLA Trend Report 2021 Update, que documenta as tendências para a profissão e para a área das bibliotecas, um relatório publicado desde 2013. Este documento foi fruto das ideias apresentadas pelos responsáveis de bibliotecas de todo o mundo que participaram no último World Library and Information Congress.

Este documento divulga 20 tendências diferentes que podem ser analisadas nas organizações e a nível individual, pois elas vão modelar e causar impacto na profissão, nas instituições e nas comunidades, nos próximos anos. As tendências podem até ser contraditórias, outras complementares, e irão marcar as vidas profissionais:

  1. Tough times ahead
  2. Virtual is here to stay
  3. The comeback of physical spaces
  4. The rise of soft skills
  5. Diversity gets taken seriously
  6. An environmental reckoning
  7. A mobile popupation
  8. The impatient user
  9. An analogue backlash
  10. Scale matters
  11. Data domination
  12. Search transformed
  13. Race to the extremes
  14. Lifelong learners
  15. A single, global collection
  16. The privatisation of knowledge
  17. Qualifications matter
  18. Information literacy recognised
  19. ‘Open’ raises questions about libraries’ unique selling point
  20. Inequalities deepen

Para esta notícia destacam-se duas tendências, a 4 (a ascensão das soft skills) e a 17 (as qualificações importam).

Tendência 4: The rise of soft skills

Atravessa-se uma época de grandes mudanças tecnológicas, de modo que os profissionais da informação têm que estar habilitados a adaptar-se a novas situações e a inovar constantemente. As soft skills referem-se a habilidades que fazem menção não somente ao conhecimento técnico, mas também ao comportamento e à forma de trabalho e são cada vez mais importantes. Os profissionais têm que acompanhar as expetativas das suas comunidades, utilizando várias habilidades, desde a resiliência, a flexibilidade, a construção de confiança na comunidade, a construção de parcerias, a resolução positiva de problemas inesperados. Destacam-se a importância da criatividade e da inovação, do pensamento crítico dentro da profissão, em torno das tendências da sociedade, por exemplo, na aceitação das tecnologias digitais. Referem-se a literacia e as metaliteracias, que devem ser desenvolvidas para responder às necessidades das pessoas na sociedade de informação, com base na inteligência emocional. Aos profissionais é recomendado um trabalho próximo dos colegas, mesmo além-fronteiras, para identificar tendências e soluções.

Tendência 17: Qualifications matter

A complexidade no ambiente da Informação é cada vez maior e os profissionais devem obter níveis de educação compatíveis com esta evolução, aproveitando a aprendizagem contínua, e obtendo novas certificações de competências. Cada vez mais, os profissionais deste sector deverão ser mais qualificados.

Para além das soft skills, os profissionais deverão possuir conhecimentos técnicos de base em várias áreas da Informação. Quem entra para a profissão deve estar habilitado para superar as dificuldades do mundo que vai enfrentar, como deve estar consciente da necessidade de se adaptar às mudanças. As habilidades incluem as digitais, que devem permitir melhores serviços centrados no utilizador, as habilidades STEAM (Science, Tecnology, Enginnering and Mathematics), as habilidades em programação, em sustentabilidade e literacia ambiental, de acordo com as necessidades dos utilizadores das unidades de informação e documentação.

Os profissionais têm que estar habilitados para utilizar novos materiais, aceder a conteúdos digitais e, assim, garantir um maior reconhecimento social do seu trabalho.

Ler o documento integral no Repositório da IFLA.

Luísa Avim
Vogal da Profissão

Similar Posts